As empresas B2B de todas as dimensões têm a noção de que as redes sociais podem trazer vantagens no envolvimento com o cliente e no SEO. No entanto, muitas vezes por desconhecimento ou por falta de tempo não o estão a fazer da melhor forma.

No Inbound Marketing, os social media desempenham um papel importante na atração de novos clientes e no relacionamento com os clientes existentes, ao partilhar conteúdo realmente focado nos seus interesses.

Se uma empresa trabalha para o consumidor final, é-lhes mais fácil perceber a relevância das redes sociais para comunicar com o seu público. Sabia que 94% dos utilizadores de redes sociais em Portugal tem conta no Facebook e 41% no Youtube? Atualmente o Facebook tem em Portugal 5,7 milhões de utilizadores, que que revela uma taxa de penetração bastante interessante, quando a analisamos dentro do contexto mundial:

Social media worldwide penetration rate 2016 Statistic

Nas empresas que lidam com clientes empresariais, já não é tanto assim. O Marketing Digital veio mudar em muito poucos anos a velocidade da adoção de novas tecnologias. Tem ideia de que as redes sociais apareceram por volta de 2003? Mesmo que tenha formação em Marketing, os responsáveis por esta área na empresa podem já não estar a par das novidades.

Depois há certos profissionais de outras áreas que, muitas vezes, têm dificuldades em aceitar novos modelos de negócio que integrem o Marketing Digital e que este seja visto como um investimento para angariar e manter novos clientes e não um custo. «Antigamente não era nada assim. Fazíamos feiras, brochuras, eventos e os clientes falavam diretamente com o vendedor». Pois, os tempos mudaram… e o Marketing Digital acresce ao que já existia, não vem substituir completamente.

Quem gere o Marketing na sua empresa?

Segundo os dados do Pordata, a dimensão média das empresas desde 1990 para 2013 diminui para metade, estando na média dos 3 indivíduos. Em empresas de dimensão reduzida, quem assegura o Marketing e como integra estas novas formas de comunicar com o cliente?

À medida que a dimensão da empresa vai aumentando, alteram também as perspetivas face ao Marketing. Muitas vezes depende do gerente ou diretor geral toda e qualquer decisão de Marketing na empresa. Será que o decisor máximo tem ideia de como as redes sociais são mais do que entretenimento e que chegam a pessoas de todas as idades e profissões?

Imaginemos as microempresas, aquelas que têm menos de 10 colaboradores, que compõem mais de 96,2% do tecido empresarial português. Na maior parte das vezes temos profissionais multifunções. Se o gerente tem sensibilidade para o Marketing, muitas vezes assume a tarefa de gerir as redes sociais da empresa. Só por si, é um bom sinal que o responsável máximo da empresa tenha um perfil profissional atualizado no Linkedin, com uma boa rede de contactos. Muitas delas ainda não se aperceberam da necessidade de ter profissionais especializados a gerir as redes sociais e acham que qualquer estagiário ou funcionário administrativo o pode fazer. Gerir redes sociais não é mais uma tarefa que tem de ser feita.

As pequenas empresas (entre 10 e 49 colaboradores ou um volume de negócios entre 2 milhões de euros e 10 milhões de euros) constituem 3,2% das empresas e as empresas médias (que representam cerca de 0,5%) já têm outras preocupações de Marketing e já é mais usual a figura do Diretor de Marketing ou de  Comunicação. Assim, é mais fácil de acompanhar as tendências de cada setor e ser proativo a lidar com a mudança. As grandes empresas que trabalham um público B2B costumam ter uma equipa dedicada ao Marketing e muitas vezes recorrem a agências de Marketing Digital para trabalhos mais especializados. Outras consideram, ainda assim, que as redes sociais não são para este tipo de empresas.

Há erros que são transversais a empresas com modelos de negócio B2B de todas as dimensões.

#1 Não ter uma Estratégia de Social Media

A estratégia é a base de toda a comunicação da empresa. Ao não fazermos nada, também estamos a comunicar ao mercado o nosso posicionamento: de que não nos preocupamos o suficiente para melhorar a experiência do utilizador. Tem uma estratégia documentada para as redes sociais? Como se relaciona com os seus seguidores? As redes sociais devem ser encaradas como

#2 Não dedicar tempo a construir relações

Temos de nos lembrar que estamos sempre a falar de pessoas, quer nas relações B2B quer nas B2C e que podemos continuar a conviver profissionalmente nas redes sociais. Nas redes sociais não somos meros emissores, somos mais que isso.

#3 Falar só sobre si

Sabe aquelas pessoas que passam o tempo a falar sobre si próprias? Muitas delas acabam a falar sozinhas… Não há paciência! Nas redes sociais é igual: se apenas publica posts promocionais ou sobre a empresa e não partilha qualquer tipo de material informativo é bastante mais difícil conseguir que interajam consigo.

#4 Não medir os resultados da sua ação

Está a acompanhar devidamente a origem do tráfego no seu website no Google Analytics? Estar nas redes sociais deve obedecer a critérios mensuráveis, dentro dos objetivos de negócio da empresa.

#5 Não usar ferramentas para facilitar o trabalho de publicação

Existem no mercado várias ferramentas para gerir as redes sociais, umas gratuitas, outras pagas. O nosso tempo deve ser gasto a pensar numa estratégia de conteúdos diferenciadora e não tanto em publicar.

As redes sociais no contexto B2B não devem ser descuradas, e existem excelentes exemplos de marcas internacionais a este nível. Temos de pensar o social media como uma anuidade e com efeitos cumulativos, à medida que vamos aplicando as estratégias, com resultados exponenciais ao longo do tempo. A gestão de redes sociais no contexto empresarial é uma maratona, não um sprint, por isso tem de dar tempo ao tempo e os resultados da boa implementação da estratégia virão.